quarta-feira, 19 de novembro de 2008

A escala dos aviões nos jogos de guerra em 1/72 - 2ª parte


Image Hosted by ImageShack
Foto do Messerschmitt Bf-109 F da Takara a sobrevoar um Stug III

Outra opção que experimentamos foi o recurso a um Messerschmitt Bf-109 F da Airfix na escala 1/100, actualmente fora de produção, que segue os mesmos princípios do modelo da Takara, ou seja, é fornecido pintado, bastando montar algumas peças e colocar os decalques para obter um modelo finalizado.

A Airfix deixou de produzir estes modelos pouco depois do seu lançamento, sendo que a razão provavel derivará de uma manifesta falta de acerto das cores, já que o nosso modelo apresentava variações que obrigavam a repintar várias zonas, sob pena de vermos metade da fuselagem de uma cor e a outra metade de outra.

Este avião, junto dos modelos na escala 1/72 colocados numa mesa, parece mais equilibrado, sem obsurecer em demasia as miniaturas, nem parecer demasiado insignificante em termos de dimensão, facto que acaba por ser coerente com a experiência anterior, onde a diferença de redução entre miniaturas aéreas e terrestres anda pelos 40% lineares, o que, em termos de área e volume, corresponde a uma diferença substancialmente superior.


Image Hosted by ImageShack
Foto de um Stuka G junto de um Su-85

Testamos também, um modelo do mesmo avião, proveniente da Ixo, junto de miniaturas igualmente na escala 1/72, de modo a por de parte dúvidas quanto à possibilidade de usar a mesma escala para os vários modelos presentes num jogo de guerra.

O facto de os Messerschmitt Bf-109 serem aviões de reduzidas dimensões contribui para diminuir um eventual choque, mas torna-se óbvio que esta continua a não ser a opção adequada, com o avião a ter, quando visto de cima, uma área muito superior à de um carro de combate ou um camião, o que, aliado à perspectiva superior dá a impressão de uma dimensão exagerada.

Assim, a nossa opção vai para as combinações 1/72 em terra e 1/100 no ar e 1/100 em terra e 1/144 no ar, sendo que este factor que basicamente é o de multiplicar a escala dos modelos sobre a mesa por 1.4 para obter a dos modelos que sobrevoam parece ser a mais adequada quando tendo em conta as próprias limitações do mercado.
Enviar um comentário