sexta-feira, 5 de junho de 2009

Troca de torsos em figuras


Image Hosted by ImageShack
Duas figuras convertida através da troca de torsos

Se trocar uma cabeça, cortando ao nível do pescoço e substituí-la por outra é, normalmente uma tarefa fácil, bastando algum cuidado na escolha das partes e a nível do corte, outras situações de troca serão, sem dúvida, bastante mais complexas mas igualmente necessárias.

A troca de um torso, ou da metade superior de uma figura é mais complexa, sendo necessário um maior cuidado em termos de proporções, pelo que começamos por analizar as duas figuras iniciais lado a lado, de modo a ver se são compatíveis em termos de dimensão e formato, dando uma especial importância à linha da cintura, onde o corte será efectuado.

Outro problema diz respeito ao fardamento, que deve obrigatoriamente ser compatível, ao equipamento, que é normal ser transportado à cintura e a cada pose específica, que pode limitar ou condicionar em muito a linha de corte, podendo inclusivé inviabilizar toda a operação.


Image Hosted by ImageShack
As figuras de origem eram Escoceses colonias, com algumas trocas com Canadianos da 1ª Guerra

O principal problema com que nos deparamos tem sido a complexidade dos equipamentos presos no cinto e que necessitam de ser recortados quando seja necessário transpô-lo para outra figura, situação que se agrava quando existem baionetas, cantis ou bainhas de espadas, as quais têm que ser separados do corpo de modo a serem transplantados.

Esta operação termina com a colagem, mas deve ser efectuado um teste a seco, cuidadoso, sendo normalmente necessário proceder a ajustes que podems ser fáceis, removendo estreitas fatias, ou mais complexo, quando é necessário adicioná-las, de modo a repor a altura e proporções da figura no sentido de obter uma anatomia realista.

Esta é uma conversão bastante mais complexa, mas que permite, por exemplo, montar figuras de infantaria ou obter escoceses, com o tradicional "kilt", a partir de soldados britânicos com calças, sendo necessário uma certa prudência sobretudo na área do corte, sem o que a anatomia da figura poderá ficar francamente alterada.
Enviar um comentário