sexta-feira, 10 de julho de 2015

O "JagdTiger" da Planeta de Agostini/Altaya - 1ª parte

Na fase final da guerra, a opção alemã foi no sentido de construir veículos adaptados a missões defensivas, pelo que a mobilidade deu lugar ao poder de fogo, e a sofisticação foi, em muitos casos, substituida por desenhos mais básicos, com um crescente número de caçadores de carros, com torre fixa, a serem produzidos em vês de modelos mais convencionais.

Em consequência, a base de cada modelo de carro de combate foi utilizada para produzir um caçador de carros, com a torre móvel a ser substituida por uma superestrutura fixa, que para além de ser mais simples de produzir, permitia instalar uma peça de maior calibre, essencial para enfrentar a uma maior distância o número crescente de veículos inimigos.

Assim, seja sob o formato de "canhão de assalto", seja sob a mais específica configuração de caçador de carros, vários modelos deram origem a derivados, adoptando peças de alta velocidade, capazes de perfurar as blindagens inimigas a uma distância suficiente para que a própria blindagem conferisse uma quase invulnerabilidade.

O mais pesado carro de combate produzido em série durante a 2ª Guerra Mundial foi o SdKfw 186 "JagdTiger", um caçador de carros baseado no "Tiger II" ou "KoenigsTiger", destinado a ser utilizado sobretudo de forma defensiva, tirando partido do alcance e poder destruidor de uma peça PAK 44 de 128 mm, a maior até então montada num veículo deste tipo.

Com mais de 70 toneladas de peso, ultrapassando em meia dúzia de toneladas o tanque que lhe deu origem, o "JagdTiger" estava igualmente melhor protegido, com a blindagem frontal superior, considerada a zona mais exposta, a atingir os 250 mm de espessura, conferindo uma protecção contra praticamente todas as armas inimigas.

Esta configuração permitia ao "JagdTiger" destruir tanques inimigos a uma distância segura, demonstrando uma extrema eficácia sempre que utilizados de forma adequada, sendo derrotados apenas pelo número ou por ataques aéreos, ou quando a escassez de combustível ou munições ou problemas técnicos obrigavam ao abandono do veículo.
Enviar um comentário