sexta-feira, 31 de julho de 2015

O Messerschmitt Bf 109 E7 Trop da Airfix - 5ª parte

Por uma questão de facilidade, optamos por pintar toda a estrutura do "canopy" antes de o colocar no local, dado que a sua manipulação é muito mais simples, utilizando a mesma cor da parte superior da fuselagem, sendo que no caso da versão tropical é em cor de areia, sem manchas ou padrões de camuflagem.

Também será de pintar o hélice, em negro, com as pontas em amarelo, bem como o cone, branco e vermelho na versão tropical, algo que, efectivamente, dependia em muito da preferência do piloto, a quem era dada alguma liberdade a nível de detalhes de pintura e finalização, podendo incluir um emblema pessoal, alguns dos quais se tornaram bem conhecidos e serviam de aviso aos próprios adversários.

A versão tropical proposta pela Airfix reproduz o avião pilotado pelo então 1º tenente Ludwig Franzisket, adjunto do comando do 1º grupo da Jagdgeschwader 27, que operava a partir da base de Castel Benito, na Líbia, em Abril de 1941, piloto que terminou a guerra com o posto de major e 43 vitórias em mais de 500 missões e diversas condecorações, tendo seguido uma carreira académica como professor universitário de biologia e director de museu de História Natural.

Portanto, este modelo representa um avião que entrou em acção no início da guerra em África, pelo que quase certamente seria proveniente de uma unidade com camuflagem europeia, sendo lógico que existiria um desgaste maior na pintura inferior e, muito provavelmente, alguma falta de cuidado na pintura superior, como resultado da pressa com que estes aviões foram enviados para um teatro de operações onde o apoio aéreo era essencial.

A Airfix sugere uma pintura que incorpora muito dos padrões europeus, que admitimos ser correcta, mas que não coincide com as fotografias da época onde os Bf 109 surgem quase sempre pintados com um padrão muito mais adequado ao Norte de África, sendo nossa opção seguirmos a documentação fotográfica de que dispomos e se encontra profusamente difundida na Internet e na própria história da unidade do avião representado.

Após terem sido enviados para o Norte de África, alguns ainda com o padrão de camuflagem europeu, os aviões alemães começaram a ser pintados de acordo com a paisagem circundante, pelo que toda a zona superior da fuselagem e das asas passou a amarelo escuro, sobre o qual eram aplicadas manchas verdes, que desciam ao longo das laterais, pelo que também eram aplicadas sobre o azul que recobria a parte inferior das aeronaves.
Enviar um comentário