segunda-feira, 23 de novembro de 2015

O F-4D "Phantom" da Ixo - 1ª parte

O caça F-4 "Phantom", construido pela Mac Donald Douglas a partir dos anos 70 e utilizado na guerra do Vietnam e em diversos conflitos em todo o Mundo, é, sem dúvida, um dos aviões de combate mais famosos do Mundo, tendo desempenhado as mais diversas missões ao serviço dos Estados Unidos e de muitos dos seus aliados.

Desenvolvido como caça-bombardeiro, armado para o combate ar ar unicamente com mísseis, os "Phantom" foram utilizados pela Marinha, Força Aérea e Corpo de Fusileiros, ou "Marines", nos conflitos que ocorreram na Ásia nos anos sessenta e setenta, sendo essenciais em diversas missões, sobretudo no combate áereo, onde defrontaram os MiG 17, 19 e 21, muito mais leves e ágeis, mas com uma menor tecnologia sobretudo a nível de electrónica.

As versões iniciais dos muito maiores e mais pesados "Phantom" dispunham apenas para o combate aéreo de mísseis, sendo normalmente equipados com quatro AIM-7 "Sparrow" de médio alcance, guiados pelo radar do próprio avião, e outros tantos AIM-9 "Sidewinder", de curto alcance, guiados por infra vermelhos e que seguiam fontes de calor.

Este conceito, que se baseava na superioridade tecnológica, implicaca sempre uma estreita coordenação entre o piloto, comandante da aeronave, e o "radar interception officer" ou RIO, que operava o sistema dos "Sparrow", um míssil semi activo que necessita de receber a reflexão das ondas de radar no alvo para se orientar, o que implica que, até ao impacto, o avião lançador desta arma tem muito pouca mobilidade, sob pena de comprometer todo o processo.

Apesar da tecnlogia envolvida e da presença de dois tripulantes, os "Phantom" deparavam-se com dificuldades no combate contra os ágeis modelos de fabrico soviético, que facilmente saiam da cobertura de radar voando a muito baixa altitude, o que obrigou a efectuar diversas alterações, resultando num modelo com o nariz mais comprido, sob o qual estava montado um canhão "Vulcan", de seis canos, capaz de disparar 6.000 projécteis por minuto.

Esta alteração, implementada no F-4F, foi essencial nos combates não apenas no Sudoeste da Ásia, mas também noutras guerras, como a do Yom Kippur, onde os "Phantom" israelitas enfrentaram os diversos modelos, na sua maioria de fabrico soviético, das diversas forças aéreas árabes.
Enviar um comentário