quarta-feira, 2 de dezembro de 2015

O Messerschmitt Bf 109 da Testors - 2ª parte

Característica dos modelos desta série da Testors, é o interior do "cockpit", completamente vazio, sem piloto ou assento, ou a imposição de ter o trem de aterragem na posição de voo, dado estar integrado nas asas, não disponibilizando peças para posicionar o avião sobre uma superfície, ficando este "kit" sobre o suporte que vem incluido.

Obviamente, pode-se melhorar um pouco este modelo, começando por dotá-lo de um "cockpit" minimamente aceitável, no qual, por estar em modo de voo, se deve colocar um piloto, pintando-se o interior em cinzento esverdeado e a zona do painel e comandos em negro, e finalizando o hélice antes de testar o fecho da fuselagem e se a inclusão do piloto não colide com as zonas vidradas.

Para quem pretenda colocar um motor eléctrico num modelo, este é de ter em conta, dado que a sua solidez, em parte como resultado do reduzido número de peças, e o baixo preço, o tornam especialmente atractivo para efectuar experiências a custo e trabalho reduzido, convertendo um "kit" muito pouco interessante e essencialmente sem detalhes em algo de diferente.

Colocar um pequeno motor eléctrico implica posicioná-lo correctamente, de modo a que no veio se possa colocar a hélice e que não se verifiquem atritos, o que pode ser feito colocando pequenos reforços interiores que, ao fechar a fuselagem, mantenham o motor em posição, e fazer passar a cablagem, que tem que ser cuidadosamente soldada nos contactos do motor.

É possível adquirir, por um preço muito baixo, conjuntos de uma dezena de pequenos cabos, cada um composto por dois segmentos, com uma extremidade descarnada, destinada a ser soldada, e a outra terminada por um conector, que será macho ou fêmea e poderão ligar-se facilmente entre sí.

Uma opção possível é soldar nos contactos do motor uma destas pequenas extensões, fazendo-a passar por debaixo da base do "cockpit", onde se encontra colado o assento, e saindo pelo orifício do suporte que mantem o modelo numa posição de voo, aconselhando-se a fixar o cabo no interior, evitanto que um pequeno puxão o possa fazer soltar do motor, algo que, num "kit" como este, dificilmente consegue ser reparado.
Enviar um comentário